Maria Claudia França Nogueira

Literatura Desenho de Humor

Sobre mim

Na área artística: Formada em Técnico Desenho de Comunicação no IADÊ – São Paulo, em 1973 e em Tecnologia em Produção Multimídia no Centro Universitário Módulo, em 2008.

Conhecida como Crau, Crau França ou Crau da Ilha,  sempre atuou em vários segmentos da expressão artística, o que a define como artista de múltiplos meios.  ” A arte para mim não é meio de vida, mas uma necessidade vital, que vem do inconformismo e sempre foi dirigida a causas em que acredito, não importa que técnicas ou recursos uso.

Iniciou-se profissionalmente em 1975 publicando quadrinhos e cartuns e participando da produção da revista O Bicho, do humorista Fortuna, no Rio de Janeiro, de 1975 a 1977.

Em Ilhabela desde 1977, onde se fixou aos 20 anos de idade, acompanhou Dona Dedé, sua tia (Iracema França Lopes Corrêa) em sua pesquisa do folclore ilhabelense, ajudando-a a registrar manifestações caiçaras como fandangos, cantorias de reis, o caiapô e a congada de São Benedito. Iniciou então suas próprias pesquisas sobre samba caiçara, coletando composições autorais dos compositores e sambistas caiçaras e veteranos Felinho Camarão e Elyseo Félix, o Pirajica, chegando mais recentemente a participar do grupo Caiçaras do Ritmo, com Elyseo e outros membros da velha guarda de Ilhabela, de 2000 a 2010.

Ao longo de duas décadas publicou cartuns, charges e tiras de quadrinhos na imprensa regional e local, sendo de sua autoria a tira Miss Piche, em crítica aos derramamentos de petróleo que ocorriam com frequência quase programada no canal. Até o ano 2000 realizou os cartazes de programação das festas tradicionais da Ilha. Em 1993 confeccionou cartilhas em quadrinhos para transferência de tecnologia do cultivo de mexilhões, para o Instituto de Pesca de São Paulo, sobre hortas comunitárias para a Secretaria de Agricultura, sobre cidadania e voto e posturas municipais. Em 1997 foi finalista do Mapa Cultural Paulista na modalidade Desenho de Humor, no representando Ilhabela e obteve o terceiro lugar com a história em quadrinhos “Um casal prevenido vale por três”.

Com pinturas e esculturas em barro participou do Salão de Artes Plásticas Waldemar Belisário, tendo recebido um prêmio em cada modalidade. Participou também de concursos municipais de poesia, quando obteve o segundo lugar com a obra Poemia, em 1992 e, em 2008, o primeiro lugar com o poema Íris.

De 1977 ao ano 2000 fez parte do Coral e do Madrigal Vozes de Ilhabela, conduzido pela artista plástica, musicista e maestrina Celina Guimarães Pellizzari, esposa do artista Waldemar Belisário.

Em 2014 idealizou e fez a editoria de arte, além de colaborações próprias, na revista-livro As Periquitas, edição histórica de cartuns, charges e quadrinhos feitos por mulheres. Atualmente faz parte do conselho editorial do coletivo nacional de chargistas Revista Pirralha.

Na área científica, tem graduação em engenharia de aquicultura e pós graduação (mestrado) na área de aquicultura e pesca

 

Educação

Tecnico em Desenho de Comunicação

1973
1973

Tecnico em Desenho de Comunicação

Habilidades

Cartow Literatura em Quadrinhos
100%
Patrimônio Histórico e Cultural
100%